A maternidade te pega de calças curtas. Não importa o quanto você planejou ou esperou por ela.

Ela nasceu, eu renasci.
Eu dei à luz a ela, ela ilumina meus dias.
Ela respira, ela me inspira.
Eu a alimento pela amamentação, ela alimenta minha alma só por existir.
Ela reconhece meu colo, cheiro e voz, eu conheço cada pedacinho dela. 
Ela dorme, eu sonho.
Ela suga minhas energias, eu fico mais forte.
Ela sorri, eu choro de alegria.
Ela brinca, eu me divirto.
Ela é um doce, eu me derreto.
Ela cresce, meu amor se agiganta.
Ela recebe um elogio, eu me sinto lisonjeada.
Ela recebe vacina, eu descubro que sou seu melhor analgésico.
Ela chora, eu sinto a dor.
Ela pede colo, eu só peço que o tempo passe devagar quando estou com ela.
Ela me olha nos olhos, eu vejo o sentido da minha vida.
Ela tem um mundo a descobrir, eu encontrei meu mundo nela.
Ela tem pouco mais de meses, já me ensinou coisas que não aprendi em quase 25 anos.
Ela nasceu filha.
Ela me faz mãe.
Não sou mais eu, somos nós.



Texto: Alice Nascimento @alice_nto | Fotografia  
Alan Vieira Photography. Album:  Debora Blonkovki 

Categorias: Destaques,Notícias,Revista Evva