DAS BOCAS

Das bocas em que ouvi “eu te amo”:
Tantos enganos, tantos absurdos…
E das que me elogiaram tanto:
Ouvi os rancores piores do mundo…!

Das bocas que me escancaravam sorrisos:
Lindos, precisos e preciosos…
Fecharam-se todas em prejuízos,
Sorrisos falsos, amarelos, mentirosos…!

Envolvi-me em tantas hipocrisias
Que até mesmo minhas poesias
Sentiram o peso de tais enganos…!

Não é que eu tenha me tornado frio,
Mais prefiro ouvir o silêncio do vazio
Do que uma mentira frase “eu te amo”!

Poeta Eduardo Bechi

Editado no livro “BIVERSOS – A união de dois universos poéticos!”, de Eduardo Bechi e Douglas Mateus, 2013, Editora Nelpa, São Paulo.

Categories: Cultura e Educação